Afeto em Umalinha

por: Letícia Castro,

Umalinha. Junto assim mesmo. É quando a tinta encontra o papel, e nele desliza um traçado contínuo, como a coragem de quem ama. Contínua perfeição da rota, sem ponto, sem reta.  

A leveza das curvas dá a impressão de que se está caminhando sobre elas – devagar até o topo… e dele se escorrega numa queda de fazer vento no rosto. Dali, vai se formando um emaranhado que lembra o infinito, tal qual montanha russa.  

Linhas que se cruzam.  

É como a vida, que quando chega ao fim, toma forma. Qualquer forma que se queira.  

Umalinha pra mim é uma mistura de infância com “Aquarela”, de Vinícius de Morais. Porque através dela, tudo se torna possível. 

O corpo é arte.

A natureza é arte 

A arte é arte 

Afeto. A melodia de uma amizade longa, e sem nenhum remendo.   

Obs: Todas essas ilustrações são da artista Paula Vasconcelos, que também é tatuadora, e minha melhor amiga. Desde que nossas tintas se encontraram no papel, seguimos em Umalinha.  

Anúncios

Deixe uma resposta