A Amazônia e o Inferno de Dante

Na caótica condição humana de tornar farto aquilo que lhe aflige, percebemos se agigantar nossas mesquinharias e excentricidades. Enquanto criamos critérios para orientar a moralidade de nossos atos por vias religiosas, éticas e individualistas, neste exato momento, a Amazônia pega fogo.

Associar a pseudo-imagem infernal das labaredas consumindo cada recurso vivo como se não houvesse misericórdia ou caridade com aquilo que temos de mais precioso – nossa morada – desperta curiosidade acerca das concepções humanas do que de fato é este lugar de sofrimento: o inferno.

Em um dos maiores clássicos da literatura, podemos ter uma vaga noção do quão audaz é o sadismo e arrogância do homem e onde jaz o lastro de sua maldade.

Quando, no primeiro livro da Divina Comédia, Dante e Virgílio encontram a porta do inferno adornada pela inscrição: Lasciate ogni speranza, voi ch’entrate – ou em tradução livre: Abandonai toda esperança, vós que entrastes, podemos perceber que a jornada pelos nove círculos do inferno nos apresentaria, em suma, com detalhes, a miserável condição humana.

Em termos de densidade demográfica, ao contrário da região amazônica, o inferno é o lugar onde há mais pessoas. Dentro de uma lógica onde a profundidade do inferno é acrescida da gravidade do pecado cometido pelo indivíduo, (naturalmente, na visão religiosa do autor), as piores práticas possíveis estão nos níveis mais profundos. Assim, entre círculos, vales, fossos, colinas e lagos, os castigos mais perversos são apresentados de acordo com o pecado cometido.

Mas você deve estar se perguntando, o que isso tem a ver com o incêndio na Amazônia?

Em meio à guerra cultural inventada, forjada e repercutida na internet por meio das redes sociais, a ignorância se tornou um critério objetivo para construir argumentos. Ademais de crenças políticas ou viézes ideológicos, neste momento, a Amazônia queima.

Estamos perdidos.

Enquanto o fogo e alastra pelas matas, estamos aqui, preocupados em alastrar nossas parcas visões de mundo e construindo uma cultura política intolerante, preconceituosa e adversativa. Discursos beligerantes desafiam até mesmo os mais serenos e esclarecidos, que antes contribuíam com complacência para a resolução de nossos empasses.

Do mesmo modo como Dante e Virgílio são surpreendidos às portas do inferno, diante da porta de entrada de nossas convicções, encontramos um terreno árido e hostil, onde a mesma frase antecipa a intensidade dos castigos desferidos sobre os pecadores, e assim como no inferno, a dor e o sofrimento aumentam à medida que nos aproximamos da possibilidade de dialogar pacificamente, de maneira amável e respeitosa. Por outro lado, ao contrário do Inferno profundo e frio de Dante, o grande capataz e algoz de nossas contravenções preserva o ululante discurso do contraditório.

Concorrendo com o Inferno de Dante, ao invés da fria escuridão do último circulo, na última esfera, onde encontram-se aqueles que, como Lúcifer, são traidores de seus mestres, em nossa mais alta oportunidade de ser e atuar politicamente, encontramos aqueles que nos governam deslegitimando a reação da vitima, relativizando os danos e as derrotas, e coletivizando a ignorância, a intolerância e o ódio velado.

E lá do alto, em cima do muro, diante da entrada do inferno, o brasileiro vê arder sob seus pés o futuro da mentalidade que cultivou, enquanto, neste exato momento, a Amazônia queima.


Frederico Lopes é Artista e gostaria de ser Escritor. Trabalha no Memorial da República Presidente Itamar Franco e é fundador da Bodoque Artes e ofícios.


Gostou do Texto? Cadastre-se e receba gratuitamente as próximas edições da Trama!


VISITE NOSSA LOJA VIRTUAL!

GALERIA

According to the institute, the number of fires detected in Brazil so far this year is 84 percent higher than in the comparable period last year; more than half of those are in the Amazon region. More than 1,300 new fires were added over the course of just two days this week.

Anúncios

Deixe uma resposta