Fragmento Líbano

Na construção de uma memória fotográfica, a ansiedade da documentação perdida a busca por uma linha a seguir. Assim como em memórias vagas de um sonho, um oceano de imagens derivam na cabeça. No final das contas, a memória é uma coleção de fragmentos que tentamos colocar em ordem e estes são os restos que chegaram até a praia.

Nenhuma imagem aqui se sustenta. São fragmentos de uma suposta experiência para a construção de alguma evidência do que pode ter acontecido.

fotografias tiradas entre 2015 e 2016 no Líbano.


Melito é um caçador de histórias, sejam realidades ou ficções, fotografias ou vídeos. Atualmente trabalhando com os coletivos CWB resiste, Fotolia e a produtora Rachadura Visual. Acompanhe o trabalho de Melito seguindo ele no Instagram:


Clique na imagem acima e acesse a loja virtual da Bodoque!


Galeria

Apoie causas humanitárias. Em tempos de cólera, amar é um ato revolucionário.

Anúncios

Deixe uma resposta